Eliane Costa: África e suas africanidades em diálogo com a educação matemática

Para os/as docentes que tem dificuldades em aplicar em sala de aula determinado conteúdos vinculados a lei 10.639/2003, a professora doutora em educação, Eliane Costa, trouxe a perspectiva da etnomatemática como uma alternativa mais adequada a diversidade que caracteriza das realidades socioculturais brasileiras.

Longe de ser uma proposta que nega a dita matemática “formal”, a etnomatemática propõe uma metodologia inclusiva, pautada em uma dimensão social, que reconhece as produções de conhecimentos matemáticos de todas as culturas, afastando a hierarquização habitual dos currículos nos quais prevalecem o legado do modelo educacional eurocêntrico.

“Não é de admirar que a cultura africana não esteja presente nas salas de aula, o currículo sempre esteve pautado em que detém o poder. Por isto a minha escolha em trabalhar com a etnomatemática como forma de apagar o estigma da disciplina, aproximar as crianças por meio de uma linguagem simples, quase intuitiva, sempre ligada a experiência de vida dos sujeitos envolvidos no processo de aprendizagem”, comenta.

A abordagem adotada por Eliane trabalha com as ideias matemáticas que estão inseridas na cultura africana de tecidos de Gana, conhecidos como Kente. Sua proposta tem como desafio refletir como as múltiplas possibilidades e conhecimentos embutidos nesse fazer africano – que vai da armação dos teares, ao pensar as padronagens, coser, medir e costurar – podem ser transformados em situações de aprendizagem.

“Por meio dos tecidos de Gana precebemos muitas coisas. A primeira que devemos considerar conhecimento que não se aprende na escola, aquele que é passado de pai para filho. Depois por meio das suas formas, cores, maneiras de coser e pensar nas estruturas que é possível trabalhar com geometria, simetria, aritmética através da experiência dos/as alunos/as no coser, no manusear os tecidos, em conhecer a história e aproximar de suas realidades. Deixando pra trás aquele ideal conteudista, sistematizado de transmissão do conhecimento, inócuo e distante. A etnomatemática é antes de tudo um exercício de respeito à diversidade”, finaliza.

*No capítulo 5 da tese de mestrado da professora Eliane Costa você pode encontrar sugestões de atividades para sala de aula que trabalham com a etnomatemática nos tecidos de Gana – Faça aqui o download*

Envie seu comentário

Por favor, informe seu nome

Nome é obrigatório

Por favor, insira um email válido

Email obrigatório

Por favor, insira sua mensagem

Formação em Direitos Humanos © 2019 Todos os direitos reservados

Design de WPSHOWER