Ponto de Cultura
Ação Educativa recebe shows e exposição em comemoração ao Dia do Graffiti PDF Imprimir E-mail
Por Administrator   
Qua, 28 de Março de 2012 18:48

O Espaço Cultural Periferia no Centro, na sede da Ação Educativa, recebeu cerca de 300 pessoas na noite de terça-feira (27), durante a abertura da exposição do Dia do Graffiti 2012. Para celebrar a data, subiram ao palco Nu-MIC, Nuscorre e os rappers Rapadura e Lindormar. O rapper brasiliense GOG, um dos pioneiros do gênero no Brasil, encerrou a noite de festa com a casa cheia.

Comemorado desde 2004, o Dia do Graffiti foi instituído em São Paulo pela lei municipal nº 13903/2004, como forma de homenagear o grande pioneiro do graffiti no Brasil, Alex Vallauri, morto em 1987, e de reafirmar a importância desta expressão cultural periférica. De acordo com Rodrigo Medeiros, do programa de Cultura da Ação Educativa, as comemorações começaram com a “velha guarda do stencil” e hoje são organizadas em diversos pontos da cidade. “É uma celebração dos artistas”, diz.

Na Ação Educativa, o Núcleo de Graffiti reuniu 15 coletivos atuantes nas periferias e no centro da capital, e também na Grande São Paulo, na organização de uma exposição com 26 trabalhos em tela e em outros suportes. Como nas outras edições, obras de adolescentes que cumprem medida socioeducativa em regime de internação na Fundação Casa foram indicadas para a exposição.

Segundo Rodrigo, o objetivo de reunir só coletivos na organização era radicalizar o próprio conceito de curadoria coletiva. Os grupos foram também responsáveis por escolher um homenageado, que este ano foi o artista TOTA, um dos principais representantes do graffiti nacional, arte-educador e militante da cultura Hip Hop por mais de 20 anos.

Além da exposição, a sede da Ação Educativa recebeu novas cores. Os murais da entrada e do hall do prédio receberam a pintura de alguns coletivos e artistas convidados, como o coletivo Comunidade Viva, que pintou a lateral da rampa de entrada. De acordo com UDR, um dos integrantes do grupo, a ideia da intervenção é fazer uma homenagem aos 30 anos do movimento punk. “Pintamos o vocalista do Artic Monkeys, um ativista e também Dandara, a mulher de Zumbi, que simboliza a resistência e a participação da mulher no movimento do graffiti”, explica.

Importância da Data

Para Rodrigo, a celebração da data é muito importante para dar visibilidade ao graffiti e mostrar para o poder público a importância da linguagem. “A Prefeitura de São Paulo, por exemplo, tem uma atuação muito ambígua em relação ao graffiti. Por um lado libera verba de edital para pagar a pintura de murais. Mas depois que paga, apaga.” “É preciso reafirmar a lei [que institui a data]”, defende.

Para o artista Galo, um dos expositores, a data veio para coroar o movimento como um todo. “Estou vendo um monte de gente que vejo na rua o tempo todo, pintando. É um momento de troca entre os grupos também. Acho que é preciso coroar a data”, diz.

Galo, que começou a trabalhar com graffiti em 2009, depois de tanto ver trabalhos nos muros do Cambucci, onde trabalhava, defende que a linguagem é fundamental para uma cidade como São Paulo: “aqui só tem cinza e isso machuca as pessoas. O graffiti preenche as lacunas da cidade de poesia e do belo.”

Para o colombiano Sergio Sanchez, um dos artistas a pintar o hall de entrada da Ação Educativa, uma das principais características do graffiti é tirar arte do cotidiano. Além disso, diz, o graffiti é democrático: “acho que todos são artistas em potencial, porque todos querem se expressar. Se você não tem condições de ir a uma galeria, por exemplo, o graffiti traz a arte para a rua.” “É muito bom saber que existe esta data no Brasil. Na Colômbia ainda não temos”, completa.

A graffiteira Lela, que completa o coletivo Comunidade Viva, ao lago de Alan, Daniel, DJ Domingos e Nahti, acredita que o graffiti é uma das mais importantes formas da arte contemporânea. “Ele é importante porque surgiu para renovar um pouco essa arte ultrapassada. O graffiti é muito simbólico porque ele se adapta a qualquer espaço, seja um lugar quadrado ou uma curva, ele ocupa qualquer lugar. O artista do graffiti tem que ser muito criativo, ele adapta o cotidiano à arte, seja fazendo um protesto ou uma intervenção bem humorada”, afirma.

Outras atividades

Neste ano, as intervenções externas do Dia do Graffiti acontecerão no Bixiga e na cidade de Mauá. No centro paulistano, será feita a pintura do muro do Estúdio Traquintana/DGT Filmes, no dia 1º de abril. Já em Mauá, o projeto Comunidade Viva finalizará a primeira etapa do projeto “Ocupação Graffiti”, que realiza intervenções de graffiti em fachadas de casas, com o encerramento das pinturas no Jardim Zaira 4.

A Exposição comemorativa do Dia do Graffiti em 2012 faz parte das atividades do Espaço Cultural Periferia no Centro, projeto da Ação Educativa contemplado como Ponto de Cultura pela Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo e pelo Ministério da Cultura.

Serviço

Exposição do Dia do Graffiti
Data: de 28 de março a 8 de maio; de segunda a sexta, das 10h às 20h, aos sábado, das 10 às 14h.
Entrada Franca.
Local: Ação Educativa - Rua General Jardim, 660, Vila Buarque, São Paulo (próximo às estações de metrô Santa Cecília e República).
Mais Informações: 3151-2333

10ª Ocupação Graffiti
Fechamento da primeira fase do projeto: dia 25 de março.
Período de exposição: 24 meses nos muros do bairro.
Local: Associação Ouro Verde - Rua Hugo Scarchete, Jd. Zaira 4, Mauá, São Paulo.
Mais informações: www.graffiti.comunidadeviva.blogspot.com

Pintura dos muros do Estúdio Traquitana / DGT Filmes
Quando: dia 1º de abril.
Horário: a partir das 12h.
Endereço: Rua Santo Antônio, 1015, Bexiga, São Paulo.

Leia também:

“o caminho do Hip Hop é a autogestão”, defende o rapper GOG

Homenageado do Dia do Graffiti defende celebração da data

Tota: artista cidadão, guerreiro de fé

 

Última atualização em Qui, 29 de Março de 2012 16:46
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar